Mensagem da ABAG

Luiz Carlos Correa Carvalho ABAG Em decorrência do notável desempenho do agronegócio brasileiro, que há mais de uma década sustenta elevados índices de crescimento, o país passou a contar com centenas de grandes eventos como feiras, exposições, congressos, fóruns, seminários e afins voltados para esse mercado. Ao se tornar um dos líderes agrícolas do mundo, o Brasil também acabou desenvolvendo uma competência especial na organização, montagem e promoção de eventos focados nas atividades da agropecuária em geral.
Dessa forma, surgiu uma infinidade de oportunidades de negócios ao redor desses eventos, que movimentam bilhões de reais anualmente. Além do próprio expositor que tem a oportunidade de oferecer, diretamente aos participantes desses acontecimentos, as qualidades de seus produtos ou serviços, abriram espaços de negócios para arquitetos e montadores de estandes, firmas de locação de equipamentos, móveis e utensílios, especialistas em logística para feiras, promotores e organizadores de eventos, publicações, comunicadores e prestadores de serviços nas mais diferentes áreas, além de fornecedores de insumos em geral, desde alimentação, hotelaria, suporte em tecnologia da informação, eletricidade, hidráulica, decoração, carpintaria, transporte, e demais necessidades geradas por promotores, expositores e visitantes dessas feiras que se espalham por todo o país.
A iniciativa de se editar o anuário de feiras, exposições e eventos do agronegócio já se constituía numa necessidade urgente para facilitação de empresas e profissionais que trabalham com eventos voltados para o nosso importante segmento, bem como, para os que necessitam selecionar datas e locais onde os mesmos se realizam para visitação ou colocação de seus produtos e serviços em exposição.
A ABAG apoia amplamente este empreendimento editorial e deseja pleno êxito aos seus idealizadores.

Luiz Carlos Correa Carvalho
Presidente da ABAG

Mensagem do Banco do Brasil

Dr. Osmar Dias Banco do Brasil O crescimento observado na economia brasileira em 2013, apresenta expressiva contribuição do setor agropecuário. Neste sentido, a parceira do Banco do Brasil com o agronegócio constitui-se em importante indutor para o crescimento sustentável do setor, com reflexos diretos e positivos na geração de empregos, no produto interno bruto e na balança comercial.
As feiras do agronegócio revestem-se em grandes oportunidades de promoção e efetivação de negócios para o segmento, contando com a participação expressiva de diversos agentes do mercado. Em consonância com a estratégia da empresa de crescimento da carteira de crédito, dos desembolsos e da parceria com o agronegócio brasileiro, o Banco do Brasil está presente nas principais feiras do agronegócio no país.
O Banco do Brasil apóia o crescimento e desenvolvimento do produtor rural brasileiro. Para estar sempre na vanguarda, busca inovar em cada evento, ofertando novas linhas de financiamento com o claro objetivo de levar ao campo a incorporação de novas tecnologias de gerenciamento para efetivação dos negócios acolhidos. Esses movimentos auxiliaram o país a crescer no segmento do agronegócio, pois o BB está presente financiando desde máquinas e implementos agrícolas, até projetos que visam à redução das emissões de gases de efeito estufa oriundas das atividades agropecuárias (Agricultura de Baixo Carbono).
O BB desenvolveu ambientes de negócios personalizados, confortáveis e funcionais, atuando com equipes de funcionários qualificados em agronegócio. Tudo isso com o objetivo de atender os parceiros e clientes e promover o desenvolvimento do agronegócio brasileiro. O pioneirismo do BB o levou a colher bons frutos com relação à imagem institucional perante o público em geral, por meio de adjetivos como: Parceiro, confiável e inovador.

Dr. Osmar Dias
Vice-presidente do Banco do Brasil

Mensagem de Roberto Rodrigues

Roberto Rodrigues SNA FAO FGV Os resultados econômicos do Brasil em 2013 ratificam a importância do setor rural e do agronegócio: o país cresceu 2,3%, e a agropecuária cresceu 7%, sendo que os serviços e a indústria tiveram avanços de 2,0% e 1,3%, respectivamente. Tem sido assim, sistematicamente ao longo dos últimos anos. O saldo das exportações nacionais de 2013 somou 2,6 bilhões de dólares enquanto só o do agronegócio chegou a 83 bilhões de dólares. Portanto, se não fosse o agronegócio, o país teria um déficit superior a 80 bilhões de dólares, o que acabaria por corroer nossas reservas em moeda estrangeira.
Sabe- se que grande parcela setor de grãos: em 20 anos a área plantada cresceu 40% e a produção 220%. Com maior produtividade por hectares, foi possível preservar mais de 60 milhões de hectares, o que transforma nossa tecnologia tropical na mais sustentável do planeta.
É fundamental continuar investindo em tecnologia e inovações, alavancas de nossa competitividade.
Mas também é essencial difundir estas tecnologias, para que todo produtor as conheça e possa utilizá-las.
Para uma difusão em larga escala, o papel das feiras e exposições agropecuárias é absolutamente necessário: elas são as vitrines das mais recentes tecnologias, e o simples fato de ir a uma feira abre os horizontes do produtor rural.
Sendo assim, este anuário passa a ter papel de relevo na extensão rural, na medida em que informa onde acontecerão as feiras agropecuárias de todos os produtos, em todo o território nacional.
Este anuário é um verdadeiro "vem comigo" para quem quiser se atualizar nas mais diversas tecnologias desenvolvidas para a agropecuária brasileira.

Roberto Rodrigues
Coordenador do Centro de Agronegócio da FGV | Embaixador Especial da FAO | Presidente da SNA

Mensagem do IBCE

IBCE Getúlio José Manoel Lopes O Agronegócio brasileiro conseguiu atingir ganhos enormes de produtividade, revelando-se o motor do crescimento futuro do Brasil. A inovação trouxe uma verdadeira revolução verde para o Brasil, criando uma das mais produtivas agriculturas do mundo. Em menos de quatro décadas, saímos da posição de importador líquido de alimentos e passamos a disputar com os grandes players como os Estados Unidos, a liderança no fornecimento de produtos agropecuários e de bioenergia. Hoje o país lidera a produção mundial de açúcar, soja, café e suco de laranja. Temos posição de destaque na exportação desses e de outros produtos do agronegócio, como carnes, milho, soja, café, frutas e algodão. As feiras de agronegócio foi o setor responsável pelo desenvolvimento, pois aproximou produtores e consumidores, criando oportunidades para relacionamentos e trocas de experiências. Somos mais competitivos, verdadeiros campeões mundiais. O IBCE, apóia totalmente a produção do calendário, era uma publicação que faltava no mercado que muito auxiliará as empresas.

Getúlio José Manoel Lopes
Presidente do IBCE

Mensagem da UBRAFE

Armando Arruda Pereira de Campos Mello UBRAFE Feiras de agronegócios, a melhor mídia presencial que pode ser praticada, exercida e vivida em um país continental como Brasil. Mas para esta afirmação se tornar realidade, é fundamental quantificar, localizar e comunicar suas realizações em data, local, horário e produtos.
Se só na Cidade de São Paulo, o impacto econômico das feiras é de 16,3 milhões de reais (Pesquisa UBRAFE, SINDIPROM-SP E SINDIEVENTOS através da FIPE), imagine no Brasil inteiro e principalmente com o incremento das feiras de agronegócios?
É com grande satisfação, que participamos do CALENDÁRIO DE FEIRAS DE AGRONEGÓCIOS 2014 que representa a força do agronegócio no Brasil.
Essas informações permitirão um planejamento das empresas expositoras, dos produtores rurais, dos visitantes, enfim de todos os que movimentam esta cadeia produtiva.
Valiosa é a informação, valioso é o trabalho de pesquisa e a coragem de realizar! Parabéns!

Armando Arruda Pereira de Campos Mello
Presidente Executivo – UBRAFE

Quem são

ABAG APEX Banco do Brasil EMBRAPA FGV IBCE

SEBRAE SEBRAE UBRAFE